2 poemas de felicia fuster

segundo lugar em concurso de tradução da unidade de catalão e do translation center da university of massachusetts amherst

QUI GOSA BEURE
Qui gosa beure
l’aigua del pou burxada
De nit la Lluna

AMB TINTA ROJA
Com una ombrel·la
t’obro la meva veu sota dels núvols
i m’empasso la neu per fer-me forta
escric les notes
del vent
i canto amb tinta roja

mina loy – there is no life or death

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by A Capivara (@acapivaracultural)

do livro “escritura estilhaçada – manifesto feminista, notas sobre a existência e outros escritos” publicado pela editora 100/cabeças

seer of sorts

Castrated, I have become impenetrable.

Men, o me-mes, cannot hardly lick my surface.

The cure of vulnerability is a ploy,

As is the cure of empowerment,

For power is the play of me-mes

And their machines

Of repetition and battery.

I have been castrated by the mysteries

Of being tethered to the ground

And smelling the grounds

Of carnage.

Ram ram goes the oblivious cattle raid in glee

Bearing the palls and balls of their people

The boon is given by paltry pallbearers

Only poonful of mead can we oblige

And believe that ram ram good

As told by our forebears

Me-me ram-ram boom

Ad nihil rem

Of naught

In the order of algorithmic scrolls

Of lip service of the ever ducking

Any actual cunning

By impostured catering

Is for the me-me gaze

Servicing the me-me haze

Wafting from the grazing

Malodorous bubble

Of stalemates.

Beneath or beyond the scrolls of the dead see

I unearth or retellurize memory

The mille-feuille repertoire of

Folds upon folds

Of fields

And endodimensional networks

Of tingles

Addressed to the kernel

Of presence.

This here world is an impossible world, however

Whatever is in it suffers not from triviality

But from being contradictory iff true

No matter how serious the tone

How self-important the line-breaks

It is impossible

It is a surface

That cannot fold

Off course.

My all-seeing eye, this here solitary monocle

Adopted my castrated core as a peer

And together they are all-peering

Certainly peeving, insufferable

The least pornographic

Of abominations

Unconsummation

Of a tardy

Offer.

All perverse incentives are hereby bounced

As if as if I could, yet we perhaps

We the people of where and when

We the dreaded and bawdy

The children are we

Got to connect

Eye to Eye

To most

Of all.

baita artigo de tavi gevinson. cometi o erro de ler os comentários, inexoravelmente alinhados com exatamente os pontos que gevinson critica, principalmente a co-optação da retórica de empoderamento do feminismo neoliberal para guarnecer abuso e exploração. conseguiram convencer o mundo de que a proliferação de modelos de instagram, onlyfans e afins sinaliza progresso, quando na verdade é mais do mesmo olhar objetificador e diminutivo, que cerceia o desenvolvimento real e saudável da sexualidade. é muito fácil retrucar que ir contra essas novas avenidas de exploração é conservadorismo, muito mais fácil do que enxergar a dura realidade de que ainda é um mercado de carne que busca não alimento mas ração para seu gado criado, derrubando o desejo e reflorestando o pasto com pornografia.

a dot is an expectation

uma performance tradutória (transcriação? metatradução?) para o inglês de 3 páginas do livro “book from the ground”, de xu bing, escrito usando ícones e pontuação.

a dot (an expectation), what is the point? an icon, the earth, iconic pinpoint in the middle of somewhere, a manmade place (upon the backs of women), an outline of domesticity, flora as a negative, flora as a positive, fauna as a negative, fauna as a positive, sing sang sung, a song. birdly burst: bebedoo-doobedoobebe-doobedoobebe-bebebebedoodoo-doobebebebe-doobedoobebe-bebe-doobedoobe-doodoodoodoo-doodoodoodoo-doodoobebebe-bedoobebe: meanwhile, a shape (a human?) still in (yes, a human’s) bed. an alarm clock: de-dede-dedede-dee-dede! bird: bebe-doobedoobebe, five minutes (what snooze?), clock again: de-dede-dedede-dee-dede! then bird: oof. flapflap. alarm clock: de-dede-dedede-dee-dede!! an exasperated ear! eyelid plim! a startled eye! a hand, ever authoritatively, curtails the alarm clock’s tyrannical fulfilment of its prerogative. the eye, wide as can be, peeks outside a gropiusesque window, a cloud drips, prompting a downturn in the lips of the eyebearer, eyelid plum.

cat (ever an atavistic silhouette), whose eyes if framed turn into x-rays, arches its silhouette and makes (not a right, but good) angle toward the bed, prompting the eyed face to establish maximum distance between lids and lips, downturning once again the latter, creating perhaps some momentum for a change of relative angle between human extension and mattress, the cat is satisfied and proceeding to forward motion.

the seated human rides the cat’s vector after a separation minimum – forward motion, that is –: a throne room awaits. holding court does nothing to turn up those lips, and many points are deployed, but still unsatisfyingly, which is why there is huffing, and puffing, and stretched features, lips that pucker (trying to induce by similarity?), and yet there is no serve, the human at the throne changes strategy from mimicry to visualization, decides to defile the throne by consulting the devil’s scrolls, where logos extinguish logos, sending the human’s lips toward an upturn and a twist! and matter is finally served, down it slides, along with beads of saltwater, some lip quivering, more servings, perhaps two, some huffing and flushing – a rubricated precursor of what’s to come? –, all around blissful relief, a velvety treat (alas, no gooseneck), a careful supervision of the fruits of one’s toil, the final flushing. choreography: shower, drier, foam and razor, teeth action (paste and brush). human exits throne room.

if you rotate the context, the human once again takes forward motion, although this time not forecast by cat, and makes their way toward the hanger room, a place where you can find undergarments, tops, bottoms and feet accoutrements, and as any human knows what to do with (some form of) those, this one in particular follows. garbed and wide-eyed, human approaches mirror, causing their nostrils to discharge evaporated humors and an impetus to dismiss a shirt, try another instead, side-eye that one – the shade! – then another in the latter’s stead, vex vex vex, then dot-dot-dot, dot-dot-dot (building expectation), the human thinks of a solemn face, whose cloudy likeness is lighted up by the pumping energy of the human’s core, so much so that a shirt prompts harmony with those weary, finally upturned lips, and soon a tie is in the mix, a hand (still authoritatively) signals the whole of the human is ready. human exits hanger room.

human enters hearth room. a pointed finger (there it is again, oh tyranny!) starts off the expectation of fresh coffee, prepared in tandem by human and machine (a most pleasant result): steaming cup, boosting the turning of a dial that brings out the flames of the hearth, and the human cooks an egg (sunny side up), three sheets of swine lining, greases and upcrunches bread in the (presumably) oiled and proteined pan, catches either five minutes of wait-time or a wedge of cheese, and finally starts drinking coffee, marking the time with a frequency of dots (or sips), refilling, drinking and so on, as the dots trail into nothingness, until–

once again a pointed finger activates a device; this one modulates subtler frequencies (less forceful but no less airborne than caffeinated motions), and the wireless harangues about the weather and whether it will rain (yes, in the morning and the evening) or the sun will shine (partially, with clouds, in the afternoon), and threatens the downfall of area mercury columns, dot-dot-dot, expectations open up in the form of an umbrella.

as coffee once again is downed, the door modulates yet another frequency, promptly captured by our human’s ear (which is the nearest in the house, as cat is nowhere to be seen – and if it was around, now would be a good time to exit the premises immediately, in feline estimation). that human ear is startled (but not as much as cat would be), and the human’s already built-up expectations take a turn, peculiarly shaped as a mirrored (or not) ear and drive them toward the door where that timbre was sourced.

(exercício para classe da prof. tal goldfajn)

ainda nem terminei de ouvir o álbum (mas quase). o baixo foi me levando ao longo de todas as canções, e por isso eu não esperava (mas deveria): um tipo de linha setentista, entre psicodelia e soul, quase disco às vezes, uma bateria como nunca ouvi nos ff, com um timbre moderno, algumas músicas que me lembraram tv on the radio (mas por pouco, bem pouco), shuggie otis, ecos de outros álbuns do próprio ff. aliás, esse tipo de exploração do mesmo tipo de “turn of phrase” (no caso aqui frase nem sempre é melódica; às vezes é algo mais estrutural) me agrada muito e me emociona, quando o artista deixa ver suas voltas a algo que não consegue deixar quieto, algo que não se esgotou. ff mudou muito, e no entanto volta às mesmas ideias, sempre como ramificações, mundos possíveis de si. o clima de ontem para hoje ficou perfeito para esse advento musical: as primeiras chuvas depois da seca de 2020 em brasília, uma lembrança longínqua de dias mais ingênuos, de weirding words abounding.

p.s.: de repente entra morgan henderson na música que chegou depois que publiquei o post e a situação se agrava. ele e tim bernardes juntos. um desbarranco.

e em seguida, antes de eu clicar em “update”, começa “thymia”, já refletindo diretamente na garganta aqui. como todo álbum dos ff, shore é sensorialíssimo e estou achando que a reta final dele é onde moram os punti luminosi.

noções e nocinhas

desde que me retirei do instagram, voltei a ler os artigos recomendados pelo leal arts and letters daily quase todo dia de manhã. é minha companhia usual de café da manhã nestes tempos pandêmicos. hoje, lendo este excerto do livro breaking bread with the dead, de alan jacobs, abri um sorriso quando ele mencionou a expressão de pynchon “temporal bandwidth” (largura de banda temporal). segundo jacobs, o retorno aos livros antigos em meio a esta época de desbarranco da atenção via rolagem incessante promove o alargamento dessa banda, um senso de temporalidade expandido. faz pouco tempo que escrevi, não me lembro onde, talvez um dos meus proliferantes papelinhos, ou em alguma tela, que o momento andava quadridimensional para mim. mas não estou falando de um senso de temporalidade do tipo que lembra a inevitabilidade da morte (esse me parece bem mais presente no modus instagrami), e sim do tipo que ativa nossa capacidade de corporificar tempos, de sentir na carne a confluência dos tempos que formaram a tudo e todos. um tipo de memória da sensação atávica de abertura do cosmos. semana passada, depois de ler o táin bó cuailnge, fiquei pensando em um comentário sobre ele que achei já não me lembro onde e que falava justamente dessa abertura do cosmos: no tipo de tessitura que constitui o táin e as outras narrativas irlandesas dos primeiros séculos AD, as consequências dos eventos são maleáveis, a paisagem é maleável, assim como a morte, as relações, é tudo permeável entre si. não parece existir essa separação metafísica instituída primeiro pelo platonismo e depois, de forma mais ominosa, pelo cristianismo. minha excelentíssima professora, a polimática maria tymoczko, fala muito sobre a relativa paz de que os irlandeses gozaram por um longo tempo (com a exceção de raids – assaltos ou arrastões – como a aventura descrita no táin, que todavia não eram guerras), e sobre como isso permitiu que a cultura irlandesa se tornasse a mais cultivada das ilhas britânicas naquele momento. quando o cristianismo chegou, a alfabetização permitiu o registro escrito da preexistente cultura local – e os escribas maravilhosamente se apropriaram do alfabeto latino para registrar suas narrativas e poéticas no gaélico da época, e não em traduções para o latim (diferentemente do que aconteceu em outras plagas). se nós que lemos isso agora, nós falantes de línguas românicas, sentimos um tipo de atavismo, é belo que seja não por conta do movimento bélico romano, mas sim do movimento letrístico. do encontro de duas línguas e culturas cujo ponto nodal é longínquo, lá no proto-indo-europeu, mas que se reunem para celebrar essa abertura do cosmos que nos permite a continuidade. outra coisa que diz maria é essa relativa paz de que gozaram os irlandeses pode ter ajudado no humor que fica evidente nessa primeira literatura. quando li o táin, algo que me pegou de surpresa foi o quanto ele é lúdico. o humor não é somente escárnio ou algo mais bufônico, mas também tem muitas vezes estrutura de jogo. me pareceu que esse jogo, que acontece até mesmo quando cùchulainn (o herói) está ameaçando, atacando e escornando, é uma expressão dessa abertura do cosmos, de que tudo é maleável e intercambiável, de que não há necessidade de hecatombe, e sim de ciclo, de transformação. o warp-spasm de cùchulainn (a partir da tradução de thomas kinsella, algo como o espasmo deformador) é um espetáculo, um requinte de maleabilidade e de metempsicose instantânea. qualquer semelhança com dragon ball z ou game of thrones não é mera coincidência.

enfim, logo depois de ler o excerto de jacobs, passei para a leitura da semana, que é o beowulf. felizmente, escolhi a tradução de seamus heaney, que me arrebatou desde a introdução (minha nova referência de prefácio do tradutor). o tom do momento, que começou desde a leitura do táin, passando por jacobs algumas horas antes, e culminando (por ora – há de alcançar novas topografias) em heaney, está clarilímpido neste maravilhoso excerto do prefácio, que ele começa recordando o momento em que começa a se desvencilhar da rivalidade irlanda x inglaterra:

“Luckily, I glimpsed the possibility of release from this kind of cultural determinism early on, in my first arts year at Queen’s University, Belfast, when we were lectured on the history of the English language by Professor John Braidwood. Braidwood could not help informing us, for example, that the word “whiskey” is the same word as the Irish and Scots Gaelic word uisce, meaning water, and that the River Usk in Britain is therefore to some extent the River Uisce (or Whiskey); and so in my mind the stream was suddenly turned into a kind of linguistic river of rivers issuing from a pristine Celto-British Land of Cock-aigne, a riverrun of Finnegans Wakespeak pouring out of the cleft rock of some pre-political, prelapsarian, ur-philological Big Rock Candy Mountain—and all of this had a wonderfully sweetening effect upon me. The Irish/English duality, the Celtic/Saxon antithesis were momentarily collapsed, and in the resulting etymological eddy a gleam of recognition flashed through the synapses and I glimpsed an elsewhere of potential which seemed at the same time to be a somewhere being remembered. The place on the language map where the Usk and the uisce and the whiskey coincided was definitely a place where the spirit might find a loophole, an escape route from what John Montague has called “the partitioned intellect,” away into some unpartitioned linguistic country, a region where one’s language would not be a simple badge of ethnicity or a matter of cultural preference or official imposition, but an entry into further language. And I eventually came upon one of these loopholes in Beowulf itself.

What happened was that I found in the glossary to C. L. Wrenn’s edition of the poem the Old English word meaning “to suffer,” the word flolian; and although at first it looked completely strange with its thorn symbol instead of the familiar th, I gradually realized that it was not strange at all, for it was the word that older and less educated people would have used in the country where I grew up. “They’ll just have to learn to thole,” my aunt would say about some family who had suffered an unforeseen bereavement. And now suddenly here was “thole” in the official textual world, mediated through the apparatus of a scholarly edition, a little bleeper to remind me that my aunt’s language was not just a self-enclosed family possession but an historical heritage, one that involved the journey flolian had made north into Scotland and then across into Ulster with the planters and then across from the planters to the locals who had originally spoken Irish and then farther across again when the Scots Irish emigrated to the American South in the eighteenth century. When I read in John Crowe Ransom the line “Sweet ladies, long may ye bloom, and toughly I hope ye may thole,” my heart lifted again, the world widened, something was furthered. The far-flungness of the word, the phenomenological pleasure of finding it variously transformed by Ransom’s modernity and Beowulf’s venerability made me feel vaguely something for which again I only found the words years later. What I was experiencing as I kept meeting up with thole on its multicultural odyssey was the feeling which Osip Mandelstam once defined as a “nostalgia for world culture.” And this was a nostalgia I didn’t even know I suffered until I experienced its fulfilment in this little epiphany. It was as if, on the analogy of baptism by desire, I had undergone something like illumination by philology. And even though I did not know it at the time, I had by then reached the point where I was ready to translate Beowulf. fiolian had opened my right-of-way.”

como uma velha ranzinza de barbas brancas que no fundo é uma criança esperança com os olhos cheios de curiosidade , espero que, por mais que nossa cultura esteja chafurdando e escorregando nessa olimpíada do faustão que é a rede social, ela nunca deixe de abrir o “right-of-way”, o direito de passagem pelo cosmos, a força desbravadora e criativa que permite continuidade, eternidade, unidade, e todos esses ideais que parecem grandiosos mas estão sempre ao alcance, muitas vezes a partir de algo simples como a água (seu brilho, suas palavras).

peixe píncaro

adoro citricidades e sinto que o sabor ácido causa um tipo de pico em algum lugar, alguma topologia sináptica. estávamos eu e meu pai lambendo os beiços e exercendo o comentarismo pós-prandial, e ele comentou que nunca tinha visto peixe com alecrim. eu disse a ele que meu jeito de cozinhar é assim: eu penso nos meus sabores favoritos e vou juntando tudo (o que é verdade, mas convenhamos: peixe com alecrim é bastante comum, provavelmente por dar certo). muitas vezes, eu erro no preparo das coisas que imagino, mas acho que nunca na combinação dos sabores. hoje fiz uma tilápia de forno e purê de batatas. a tilápia eu fiz assim: preparei manteiga derretida com uma pitada de alho em pó, uma meia pitadinha de pimenta branca, um pouco de tomilho fresco e meio limão siciliano espremido. pincelei nos filés. a outra metade do limão eu fatiei e coloquei no fundo da assadeira untada (com manteiga). também peguei um resto de cebola e coloquei as fatias no fundo. os filés foram por cima. coloquei por último nos filés: sal e alecrim fresco arrancado da parte de baixo dos ramos. os ramos de alecrim, pus pra rodear tudo (usei uma fôrma circular). assei com papel alumínio no fogo baixo por uns 15 minutos, depois tirei o papel e pus no fogo alto por mais uns 10-15. como esperado, a cebola e as fatias de limão caramelizaram, a casa inteira ficou com cheiro de alecrim e o peixe, embora não tenha dourado, ficou no ponto certo. na hora de servir, tirei umas alcaparras e lambuzei na manteiga da assadeira. o purê eu fiz assim: fervi as batatas descascadas e picadas, depois de moles passei pelo espremedor numa tigelona de vidro e na própria tigela joguei sal, manteiga, alho em pó, salsa desidratada e um pouco de pimenta do reino moída. afofei tudo com garfo. só. a combinação ficou justa justa. se alguém estiver lendo ainda, uma dica importante: as rodelas de limão siciliano do fundo caramelizam, brilham, coruscam (metaforicamente) e devem ser sumariamente comidas junto com o resto. pus no prato também um pouco do arroz fresquinho que meu pai fez e um pouco de brócolis no vapor. bebi junto umas duas taças de chilano cabernet sauvignon branco (é barato, tanto em sp quanto bsb não passa de 25 reais – e tem um gostinho de refri de adulto, meio maçã verde, sem ser doce).