peixe píncaro

adoro citricidades e sinto que o sabor ácido causa um tipo de pico em algum lugar, alguma topologia sináptica. estávamos eu e meu pai lambendo os beiços e exercendo o comentarismo pós-prandial, e ele comentou que nunca tinha visto peixe com alecrim. eu disse a ele que meu jeito de cozinhar é assim: eu penso nos meus sabores favoritos e vou juntando tudo (o que é verdade, mas convenhamos: peixe com alecrim é bastante comum, provavelmente por dar certo). muitas vezes, eu erro no preparo das coisas que imagino, mas acho que nunca na combinação dos sabores. hoje fiz uma tilápia de forno e purê de batatas. a tilápia eu fiz assim: preparei manteiga derretida com uma pitada de alho em pó, uma meia pitadinha de pimenta branca, um pouco de tomilho fresco e meio limão siciliano espremido. pincelei nos filés. a outra metade do limão eu fatiei e coloquei no fundo da assadeira untada (com manteiga). também peguei um resto de cebola e coloquei as fatias no fundo. os filés foram por cima. coloquei por último nos filés: sal e alecrim fresco arrancado da parte de baixo dos ramos. os ramos de alecrim, pus pra rodear tudo (usei uma fôrma circular). assei com papel alumínio no fogo baixo por uns 15 minutos, depois tirei o papel e pus no fogo alto por mais uns 10-15. como esperado, a cebola e as fatias de limão caramelizaram, a casa inteira ficou com cheiro de alecrim e o peixe, embora não tenha dourado, ficou no ponto certo. na hora de servir, tirei umas alcaparras e lambuzei na manteiga da assadeira. o purê eu fiz assim: fervi as batatas descascadas e picadas, depois de moles passei pelo espremedor numa tigelona de vidro e na própria tigela joguei sal, manteiga, alho em pó, salsa desidratada e um pouco de pimenta do reino moída. afofei tudo com garfo. só. a combinação ficou justa justa. se alguém estiver lendo ainda, uma dica importante: as rodelas de limão siciliano do fundo caramelizam, brilham, coruscam (metaforicamente) e devem ser sumariamente comidas junto com o resto. pus no prato também um pouco do arroz fresquinho que meu pai fez e um pouco de brócolis no vapor. bebi junto umas duas taças de chilano cabernet sauvignon branco (é barato, tanto em sp quanto bsb não passa de 25 reais – e tem um gostinho de refri de adulto, meio maçã verde, sem ser doce).

Publicado por

Maíra Mendes Galvão

maquinista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s