Entre mulheres

Marie Ponsot // trad.: Maíra Mendes Galvão

Que mulheres vadiam?
Não muitas. Todas. Algumas.
Quase todas arriscariam,
aqui e ali, & pudera.
Algumas, e sou uma delas,
Vadiam sentadas.
Minha pequeníssima avó
Gastava os trocos com ambulantes
Menos pelas fitas e rendas
Do que pelo cheiro deles
De quem dorme em qualquer lugar
Vai embora quando quer, escolhe
Seu ganha-pão e sua companhia.
Ela me aconselhou, “não tenha nada a perder.”
Ela tinha aparência frágil mas
O sangue nobre, tornozelos de atleta,
Aguentava e aguentava.
Ela amava seu canteiro de verduras, seus
Netos, seu homem que
Já fora ousado, já fora jovem.
Mulheres vadiam
Como podem.

 

Anúncios

Publicado por

Maíra Mendes Galvão

maquinista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s